11 de outubro de 2017

Maria Alice Vergueiro morre 100 vezes

10 Outubro 2017 | E ressuscitará, certamente, para a 101.ª para apresentar a peça Why The Horse? no dia seguinte. Para comemorar as suas 100 mortes na montagem do Teatro Oficina dia 14, sábado, a atriz Maria Alice Vergueiro, de 82 anos e portadora da doença de Parkinson há quase 20 anos, será homenageada pelo grupo do Oficina. Também haverá um show de Celso Sim – uma das músicas vem bem a calhar, O Amor, versão de Caetano Veloso e Ney Costa Santos para o belo poema homônimo de Vladimir Maiakovski. No refrão, Sim vai cantar: “ressuscita-me / quero acabar de viver o que me cabe / minha vida para que não mais existam amores servis”. Fonte: O Estado de S.Paulo.

5 de outubro de 2017

Carlos Arthur Nuzman passagem da chama olimpica. Boatos: Nuzman com Parkinson?



30 de April de 2016 - Menos de cem dias antes da abertura dos Jogos do Rio em 2016, não são apenas os atrasos em determinadas obras ou os acidentes inesperados, como o da “Passarela Tim Maia”, que a cidade propõe de trauma aos cartolas do País. O maior deles, ironicamente, se esconde nos próprios estatutos do COB, que determinam as eleições para a sua presidência numa data volante, três meses após a realização do evento, porém outra mais confusa, ainda no primeiro semestre do ano da escolha.

Nesse quadro, o mandatário Carlos Arthur Nuzman, um advogado hoje com 74 de idade, no poder desde 1995, busca uma nova condução ao trono máximo. Em 2012 o Sr. Alaor Bezerra, da Confederação Brasileira de Tênis de Mesa, esboçou uma tênue oposição – sem sucesso. Agora, porém, graças a uma liminar concedida pela 27ª Vara Civil do Rio, o limite da inscrição das chapas se esticou a Outubro, e Bezerra sonha em, até lá, reunir o apoio mínimo dos votos de seis das trinta modalidades que o COB coordena.

Um direito de difícil consagração numérica, que os inimigos de Nuzman acalentam através de um solapamento pouco esportivo de bastidores. Por causa da crise política que o País atravessa, os noticiários de TV concederam atenção quase nula ao acendimento da Tocha Olímpica, em 27 de Abril, na Grécia, e à transmissão da chama, por Spyros Capratos, do Comitê local, ao colega brasileiro. No caso, além da tocha grande, que se carrega através da nação-sede, se inflamam espiriteiras de segurança – caso a grande por qualquer razão se apague usa-se o foguinho de reserva para ressuscitá-la.

Impressionou, no caso, o quase incontrolável tremor das mãos de Nuzman em uma operação tão prosaica – tremor que estimulou, nos desvãos obscuros, menos dignos, da sua sucessão no COB, boatos já espalhados desde 2012: padeceria do Mal de Parkinson. Não se trata de uma doença fatal, capaz de vetar a sua re-condução ao trono. Mas, de um problema que, mesmo adequadamente medicado, incomoda, constrange e pode humilhar.

Com a palavra Nuzman, aliás, um ex-voleibolista.

De se lembrar a comovedora, tocante dificuldade, que quase impediu Muhammad Ali, o Cassius Clay, de atear o pavio da pira dos Jogos Olímpicos de Atlanta/96... Fonte: Esportes R7. Leia mais sobre Nuzman aqui: Globo G1 e aqui: Com ouro de Nuzman, seria possível produzir medalhas para 3 Olimpíadas...

14 de setembro de 2017

'Infelizmente, não está nada bem', diz Xuxa sobre a mãe, Alda Meneghel

Alda tem Parkinson em estágio avançado e, no ano passado, sofreu dois AVCs

13/09/2017 - Na última terça-feira, 12, Xuxa compartilhou uma foto de sua mãe, Alda Meneghel, em seu Instagram e conversou com os seguidores sobre o estado de saúde dela.

"Hoje, minha irmã da Espanha me mandou essa foto da nossa Aldinha. Tão linda... saudades do abraço e da voz dela cantando um pequeno grão de areia", disse Xuxa na legenda, ao compartilhar uma foto antiga da mãe.

Quando questionada por seguidores sobre a saúde da mãe, a apresentadora respondeu: "Infelizmente, nada bem".

Alda tem 80 anos e luta contra o mal de Parkinson em estágio avançado e, no ano passado, sofreu dois Acidentes Vasculares Cerebrais (AVC). A condição de Alda compromete sua fala e sua locomoção. Fonte: O Estado de S.Paulo.

11 de setembro de 2017

Orlando Dias, o primeiro, e esquecido, Rei do Brega

No palco chorava, rasgava a roupa, e arrebatava plateias

Orlando Dias, performático
foto: reprodução
11/09/2017 - O nome de batismo, José Adauto Michiles. Nome artístico Orlando Dias. Um cantor recifense de quem poucos conterrâneos, com menos de 50 anos, se lembram. Quem cultua brega, e considera que o baiano Waldick Soriano ou o também recifense Reginaldo Rossi são os dois maiores ícones (empregando um termo que se tornou brega) do gênero, deveriam conhecer um pouco de Orlando Dias. Ele é uma lacuna na grande maioria dos livros, dissertações de mestrados e afins que se escrevem sobre o brega.

É até estranho que Orlando Dias seja ignorado. Entre 1960 e 1965, ele foi um dos maiores vendedores de discos do país e frequentador assíduo das paradas com bolerões passionais, tangos, sambas-canção, além das marchinhas carnavalescas, que o tornaram um dos campeões do carnaval. Mas era nas performances de palco que incendiava plateias e insuflava a ira dos árbitros do bom gosto contra ele, mesmo assim copiado por muitos.

Cinco anos antes de Roberto Carlos, Orlando Dias lançou um LP com o título de O Inimitável. Chegou a afirmar que o Rei também o imitava quando gravou, em 1968, Ciúme de Você, de Luiz Ayrão, não por acaso no LP igualmente intitulado O Inimitável. Tenho Ciúme de Tudo (1962, Waldir Machado) foi um dos maiores sucessos de Orlando Dias.

“Minhas queridas fãs”, “Fãs do meu coração”, “Meu coração é de vocês”, “Devo o meu sucesso a todos os meus queridos fãs”, alguns dos bordões que Orlando Dias bradava durante as apresentações na TV, no rádio ou ao vivo. Para mostrar sua devoção aos admiradores, ajoelhava-se em pleno palco, abria a camisa, desabotoando-a, dramaticamente, rasgava paletós e lançava-os na plateia. Fazia o mesmo com lenços com que enxugava as lágrimas, quando se emocionava em demais com determinadas canções, como Maior Amor da Minha Vida: “Tu és o maior amor da minha vida/ tu és uma estrela guiando meus passos/ nas horas boas/ nas horas tristes/ minha querida/ tu és o maior amor da minha vida”. “O cantor que morre no palco” um de seus epítetos.



Em junho de 1960, programa Parada Feminina, apresentado pela atriz Lourdes Mayer, na Tupi, depois dos obrigatórios salamaleques aos fãs, Orlando Dias canta mais um bolero de sucesso: “Você ainda há de chorar por mim, mete a mão no bolso e saca um lenço, finge que chora, abre os braços, ameaça abrir a camisa. A plateia vai à loucura. Uma fã não gostou e mandou-lhe uns conselhos, através do Jornal das Moças (do Rio): “Meu caro Orlando, você causou tanta hilaridade, que eu cheguei a ter pena. Quer um conselho? Coloque suas mãos em posturas físicas educadas. Os gestos são apropriados para cantores líricos e, mesmo assim, são comedidos”.

Contenção de gestos e de tons altos não constavam no cardápio que Orlando Dias servia às suas adoradas fãs. E ele estourava nas paradas exatamente quando a contida bossa nova era a grande novidade da música brasileira, que tornava demodé o bolero, o samba-canção e a interpretação arrebatada. Era agora de bom tom o cantar intimista, exigia-se um fiozinho de voz do intérprete. Não para Orlando Dias, que lançava, em 1960, Tu Hás de Pensar em Mim, o segundo naquele ano. O LP emplacou vários sucessos, os boleros Nunca Mais, Espera Um Pouco Mais e O Que me Importa (todas de Waldir Machado).

Nessa última, antecipa-se a Odair José, lixando-se para o que digam sobre a mulher ama: “ Que me importa que outros digam que te quero/ que me importa que outros falem mal de ti/ o eu me importa é ser teu amor sincero”. Bolerões assim o tornaram um dos mais populares artistas do cast da Rádio Nacional e o maior vendedor da Odeon. No citado Jornal das Moças, um comentário sobre o astro pernambucano: “Bossa nova de cantor é o que tem feito Orlando Dias em todos os auditórios. Ele faz uma porção de coisas enquanto está no palco. Até canta”

PERNAMBUCO
Quando estourou no Brasil no começo da década de 1960, Orlando Dias já estava com muitos anos de estrada. Começou no Recife ainda de calças curtas, com um conjunto vocal mirim, A Turma dos Onze (o onze, pela idade dos integrantes). Apresentavam-se por dinheiro, em troco de comida, em reuniões de família e clubes sociais. Em 1940, estava na Rádio Clube de Pernambuco como parte do Conjunto de Anjos Rebeldes.

Tentou lançar-se como cantor, mas foi gongado, interpretando uma valsa. O público protestou, ele voltou a cantar a mesma música e ganhou o primeiro lugar. A família no entanto não via com bons olhos sua inclinação pelo rádio. O pai, que trabalhava na alfândega, o queria também funcionário público. Certamente profissão mais estável do que de cantor, no Recife, onde, até 1948, só havia uma emissora, a Rádio Clube, e nenhuma possibilidade de gravar um disco (a Rozenblit só seria criada em 1954).

“A minha vida no rádio, em Pernambuco, foram dez anos de esforços perdidos, tive que vencer a resistência da família para conseguir mudar-me para o Rio em busca de uma carreira sólida”, comentou ele, numa longa matéria na Revista do Rádio, em 1954, já relativamente famoso, mas ainda distante do auge. Quem continuava no auge ainda era o rádio, cantores e cantoras eram disputados a peso de ouro, a concorrência entre eles era igualmente grande.

Orlando Dias sobressaiu-se pela performances histriônicas, que levavam cronistas a duvidarem de sua masculinidade (ele casou jovem e enviuvou cedo). Quando, em 1967, apresentou na TV Excelsior o programa A Hora do Sino, ao lado de Ary Leite (ocupando o horário vago com a saída de Chacrinha da emissora), na revista O Cruzeiro saiu o comentário: “Seus animadores são o que existe de pior em matéria de loucura em televisão. Mil vezes o Chacrinha com suas baboseiras. No primeiro programa Orlando Dias ficou muito empolgado e mostrou que o lugar ideal dele é mesmo Petrópolis. Lá não faz calor. É mais fresco.”

Ele foi contratado da Odeon (chegou a gravar alguns 78 rotações pela pernambucana Rozenblit, nos anos 50), durante mais de 15 anos, mesmo que os sucessos tenham minguado por volta de 1968, com a mudanças de gosto do público. Seu último sucesso nacional foi Com Pedra na Mão (parceria com Maury Câmara), já num estilo mais apelativo, feito a Eu Não Sou Cachorro Não, de Waldick Soriano (que não costumava compor músicas neste nível).

Quando morreu, em 11 de agosto de 2001, aos 78 anos, em consequência de mal de Parkinson, ou talvez outras enfermidades que a familia não informou, Orlando Dias estava esquecido. Na imprensa, seu obituário foi curto. Somente no Jornal do Brasil ele foi lembrado como “O primeiro rei dos bregas”. Fonte: JC Online.

10 de setembro de 2017

Advogado de Lula, Roberto Teixeira é internado na UTI por insuficiência cardíaca

Aos 73 anos, Teixeira sofre de Parkinson há três anos e já passou por cirurgias cardíacas

06 Setembro 2017 | O advogado Roberto Teixeira, do escritório Teixeira Martins, foi internado na noite de terça-feira, 5, na UTI do Hospital Sírio Libanês em São Paulo, por insuficiência cardíaca aguda.

Além de atuar na defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Lava Jato, os dois são amigos próximos. De acordo com uma nota da assessoria de imprensa do escritório, ele tem histórico de doenças e cirurgias cardíacas.

Aos 73 anos, o advogado sofre de Parkinson há três. Segundo a nota, ele continuará na UTI para a realização de exames. Fonte: O Estado de S.Paulo.

Compadre de Lula internado no Sírio

Advogado Roberto Teixeira seria interrogado pelo juiz federal Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, nesta quarta-feira, 6

06 Setembro 2017 | O advogado Roberto Teixeira, compadre do ex-presidente Lula, pediu ao juiz Sérgio Moro adiamento do interrogatório a que ele seria submetido nesta quarta feira, 6, às 14h, em Curitiba. Teixeira é réu em ação penal com o próprio petista.

Na tarde de hoje, Moro remarcou o interrogatório de Roberto Teixeira para a quarta-feira, 13. No mesmo dia, Lula deverá prestar depoimento.

Na noite desta terça-feira, 5, Roberto Teixeira foi internado no Hospital Sírio Libanês em São Paulo com problemas cardíacos. Os advogados de Teixeira estão em Curitiba para formalizar o pedido de adiamento do interrogatório.

Teixeira é acusado por lavagem de dinheiro. A força-tarefa da Lava Jato atribui a Lula os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro sobre contratos entre a Odebrecht e a Petrobrás.

O Ministério Público Federal aponta que propinas pagas pela empreiteira chegaram a R$ 75 milhões em oito contratos com a estatal. Este montante, segundo a força-tarefa da Lava Jato, inclui um terreno de R$ 12,5 milhões para Instituto Lula e cobertura vizinha à residência de Lula em São Bernardo de R$ 504 mil.

Além do ex-presidente e de seu compadre, também respondem ao processo o ex-ministro Antonio Palocci (Fazenda e Casa Civil/Governos Lula e Dilma), seu ex-assessor Branislav Kontic, o empreiteiro Marcelo Odebrecht e outros três investigados.

COM A PALAVRA, A ASSESSORIA DE ROBERTO TEIXEIRA

O advogado Roberto Teixeira foi internado ontem, dia 5 de setembro, às 22h50, no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, com o diagnóstico de insuficiência cardíaca aguda. Teixeira, de 73 anos, permanece na Unidade de Terapia Intensiva, onde será submetido a diversos exames. Ele tem histórico de doenças e cirurgias cardíacas e sofre da doença de Parkinson há três anos. Fonte: O Estado de S.Paulo.